Ir para conteúdo

Mídia diante de crenças, leis e ciência

fosfo_casperO câncer é uma doença plural e complexa. São diferentes capacidades biológicas, ou seja, cada tumor pode ser desenvolvido a partir de vias e mecanismos específicos. Da mesma forma, não há uma receita mágica e sim tratamentos individualizados com maior ou menor taxa de resposta. A mídia, principalmente a não especializada em saúde e ciência, demonstrou um imenso despreparo ao se deparar com a pauta acerca da cápsula que traz o composto fosfoetanolamina sintética, denominada pelos meios de comunicação como a “pílula do câncer”. O tema está presente na agenda setting desde agosto de 2015 e tem gerado um grande impacto social, envolvendo os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, com ampla repercussão internacional e muita desinformação para o público-leigo.

A polêmica em torno da pílula do câncer começou quando o químico, livre-docente e aposentando pela USP, Gilberto Chierice, concedeu uma entrevista para a emissora EPTV, filial da Rede Globo na região de São Carlos e Araraquara, no interior de São Paulo, na qual foi dada ênfase para a fosfoetanolamina sintética como sendo uma substância que, nas palavras do pesquisador, imita uma substância presente no organismo e sinaliza células cancerosas para a remoção pelo sistema imunológico. A matéria, reproduzida no Portal G1 com um título que enfatiza uma fala do cientista ‘Pesquisador acredita que substância desenvolvida na USP cura o câncer”, ressalta que o composto, sintetizado pelo grupo desde o fim dos anos 1980, não tinha sido comercializada até então apenas pela má vontade das autoridades. A fosfoetanolamina sintética, no entanto, até aquele momento, nunca tinha sido submetida a qualquer tipo de teste de eficácia, nem de segurança em humanos. Em consequência da reportagem, intensificou-se o desejo de pacientes de exigir a distribuição, pela via judicial, da pílula milagrosa.Após a ampla repercussão do assunto que, a partir publicação da reportagem do G1 foi inserido na agenda setting da mídia brasileira, o mesmo veículo trouxe, duas semanas depois, uma reportagem cujo discurso buscava contrapor o texto anterior, desta vez cumprindo o papel de ouvir opiniões díspares e contextualizando a importância da pesquisa clínica por meio do detalhamento do passo a passo de cada etapa que envolve o desenvolvimento de uma nova droga. No entanto, o alarde já estava feito e o assunto, quase um ano depois, não saiu do noticiário nacional e repercute, como abordaremos neste artigo, também na mídia convencional e em revistas científicas internacionais.Parte dos comentários acima são de artigo que publiquei essa semana na revista Communicare, da Faculdade Cásper Líbero. Clique aqui para ler na íntegra.

 

 

 

Categorias

Opinião

mouraleitenetto Ver tudo

Blog do jornalista Moura Leite Netto, botonista amador, osasquense, são-paulino, torcedor também do Napoli, Lakers e Patriots e mestre e doutorando em Oncologia.

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: