Ir para conteúdo

A.C.Camargo, Barretos e INCA em mapa global do câncer

agenciabrasil
Foto: Rovena Rosa – Agência Brasil

O Cancer Research UK, órgão de fomento de pesquisas sobre câncer do Reino Unido anunciou os quatro projetos aprovados para o programa Grand Challenge. O instituto investirá 100 milhões de libras (cerca de 390 milhões de reais) nessa ação. Trata-se de uma corrida científica com o foco em solucionar as sete questões que, segundo a entidade do Reino Unido, são os principais problemas hoje no combate ao câncer. O anúncio esteve em pauta nesta quarta, dia 15, no portal G1 e na Agência Brasil.

Um dos projetos, intitulado Mutographs of câncer: discovering the causes of câncer through mutational signatures, conta com a participação brasileira por meio do A.C.Camargo Cancer Center, Instituto Nacional de Câncer (INCA) e Hospital de Câncer de Barretos. Os líderes são o Professor Mike Stratton, diretor do campus voltado às pesquisas sobre Genoma do Wellcome Trust Sanger Institute, no Reino Unido e o Professor Paul Brennan, que dirige a divisão de Epidemiologia Genética do IARC.

Em um grande esforço global, será feito o sequenciamento do exoma (todos os exóns do genoma de um indivíduo) de 5 mil amostras de tumores de rim, pâncreas, esôfago (células epiteliais e escamosas) e de intestino, que serão coletadas nos cinco continentes. Além disso, os pacientes responderão a questionários epidemiológicos, que abordarão hábitos alimentares, se viveram em áreas com exposição a carcinógenos, se já foram contaminados por algum vírus, entre outras questões. As instituições brasileiras serão responsáveis por 900 dos 5 mil casos.

Em entrevista para o G1, a cientista e Superintendente de Pesquisa do A.C.Camargo, Vilma Regina Martins, explica que os tumores avaliados pelo estudo têm incidência diferente em locais diferentes do planeta. “Quando se tem um tumor com esse perfil, entende-se que há alguma coisa naquele local associada com o aumento ou a diminuição de risco. Entende-se que podem haver causas genéticas na população e também fatores ambientais de cada uma das regiões”, disse.

Os demais projetos aprovados pelo Grand Challenge para os próximos cinco anos visam melhorar a eficácia das estratégias de diagnóstico por imagem e molecular, com implicações do tratamento personalizado; distinguir as lesões de fato indolentes das lesões com potencial de invasão em casos de carcinoma ductal in situ, direcionando quais pacientes com esse subtipo de câncer de mama podem ser poupadas ou beneficiadas pelo tratamento e outro projeto que visa criar representações virtuais de tumores e uma base de dados global que catalogará a sua composição genética e metabolismo, podendo levar a novas formas de diagnosticar e tratar a doença.

LEIA MAIS:

G1 – http://g1.globo.com/bemestar/noticia/cientistas-brasileiros-participam-de-desafio-para-descobrir-fatores-ambientais-relacionados-ao-cancer.ghtml

Agência Brasil – http://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2017-02/pesquisa-vai-mapear-influencia-genetica-e-ambiental-na

Sobre o Grand Challenge – https://www.cancerresearchuk.org/funding-for-researchers/how-we-deliver-research/grand-challenge-award?wssl=1

mouraleitenetto Ver tudo

Blog do jornalista Moura Leite Netto, botonista amador, osasquense, são-paulino, torcedor também do Napoli, Lakers e Patriots e mestre e doutorando em Oncologia.

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: